(31) 88389540 (Tim) Fernando Bones
(31) 96671606 (Vivo) Marcus Vinícius Evaristo
(31) 88372479 (Oi) Davi Brêtas

banda.aldan@gmail.com

Fotos em alta resolução
Terceiro disco marca ruptura sonora e estética da Aldan

A chegada à vida adulta traz consigo diversos sentimentos, mas nenhum deles é tão impactante quanto se deparar com uma pia cheia de louça pra lavar. Em seu terceiro trabalho, “Pode ser que daqui a algum tempo eu tenha 30“, a Aldan se debruça no mármore frio da maturidade e mergulha suas mãos em geladas águas de questões existenciais, entre detergentes baratos e uma espécie de tensão nonsense.

Pela primeira vez com um disco conceitual, a banda apresenta uma série de novidades que praticamente reinventam sua sonoridade. Bagunçando o histórico baixo-guitarra-bateria-e-voz com intervenções eletrônicas, processadores vocais, violões de nylon, sintetizadores, entre outras surpresas.

O desabafo/mea culpa sobre o cenário musical de Belo Horizonte em “Rogério Ceni“, a narração de um sonho delirante em “Pássaro vermelho“ e as amenidades melancólicas da vida adulta em “Terça-feira é um bom dia pra fazer compras“ dão o tempo/espaço do disco, que atinge seu ápice na faixa título: “Poder ser que daqui a algum tempo eu tenha 30 / Vai saber se vou querer seus seios ou a sua companhia?“.

O álbum foi gravado entre vários estúdios de Belo Horizonte por Fernando Bones, Lucas Mortimer e Fabrício Galvani, este último responsável pela mixagem e masterização. A produção é assinada pelos integrantes Fernando Bones (baixo e voz) e Marcus Vinícius Evaristo (guitarra e voz), com arranjos assinados pela banda, que conta também com Bruno Carlos (bateria e voz) e Davi Brêtas (guitarra).

Aldan

Ativa na cena belo-horizontina desde 2006, a Aldan tocou em palcos importantes, dos quais se destacam Conexão Vivo, Festival Transborda, e Outrorock, passando também por diversas cidades, entre elas, Belém (PA) e São Paulo (SP). Seus dois trabalhos anteriores, o EP “Você já roubou hoje?“ (2010) e o disco “Uma nova humilhação“ (2012), foram reverberados por importantes veículos, como OEsquema, Diário do Pará, O Globo, Play TV, Canal Brasil, Hoje em Dia e Estado de Minas. Sempre ressaltando os clipes inusitados e o caráter tragicômico da banda.